Reunião: duas prosas (de 2014)

Fujam de Clemente A mente, adoecida, cobre com sangue o meu corte físico. Sou filho do pobre cheirando a ventania que eu não posso me cobrir. Não tenho cobertas! A multidão dos séculos me despreza, sou um ponto no final da tirania. Não estou na consciência daquela multidão. Sou um cão! Latindo abraçado com a […]

“Nos últimos tempos, preocupava-o sobretudo a miséria das classes — por sentir que nestas democracias industriais e materialistas, furiosamente empenhadas na luta pelo pão egoísta, as almas cada dia se tornam mais secas e menos capazes de piedade. A fraternidade (dizia ele numa carta de 1886, que conservo), vai-se sumindo, principalmente nestas vastas colmeias de […]

“Machado dizia que no Brasil existem dois países: o país oficial e o país real. O Brasil oficial é o Brasil dos privilegiados. E o Brasil real é o Brasil do povo. Nossa tarefa é a de acabar com essa cisão, e eu parto desse princípio ao estudar a formação da sociedade brasileira. No entanto, […]

A oralidade em Os Sertões

O crítico uruguaio Angel Rama tratou, em La ciudad letrada, do papel das camadas letradas na América Latina, encarregadas das tarefas da administração colonial e da catequização da população indígena. Formada por profissionais, escritores e servidores intelectuais, que detinham a escrita em uma sociedade de analfabetos, a cidade letrada fazia a comunicação e a mediação entre […]